O atendimento do Samu em qualquer município é feito através de ligação gratuita pelo telefone 192. A pessoa que faz a ligação recebe as primeiras orientações de uma equipe que estará de plantão na Central de Regulação do Estado. Após identificar o caso e orientar sobre as primeiras ações, a Central Estadual encaminha o deslocamento de uma equipe. O médico regulador da Central, se necessário, comunica ao hospital o encaminhamento e solicita a reserva de leito para que a assistência de urgência possa ser continuada.

Neste momento de pandemia, pelo menos 80% dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) destinados para o tratamento de pacientes com Covid-19, estão ocupados em hospitais localizados na região metropolitana de João Pessoa, segundo dados atualizados pela Secretaria de Estado da Saúde (SES).

De acordo com o médico do SAMU-Alhandra, Dr. Jucélio Tavares, a regulação dos pacientes com suspeita da COVID-19 acontece após a equipe ser acionada pela Central Estadual 192, se dirigir ao endereço da chamada, e ao chegar, avalia o caso. Se for de atendimento local, é realizado com orientação do médico ou enfermeira de ficar em casa; sendo um paciente que necessita ser removido, a vaga que vai ser conseguida não é tão fácil como um paciente vítima de acidente, por exemplo, é necessário haver a regulação.

A equipe passa o quadro do paciente para a central em João Pessoa, e logo após o quadro repassado para essa central, a regulação desse paciente depende estritamente do estado.

“Todos os SAMUs estão veiculados nesta central de atendimento e é daí onde ocorre uma certa demora. Infelizmente, é possível que na Capital uma equipe fique de 3 á 5 horas dentro de uma VTR (ambulância do SAMU) aguardando que a central faça o encaminhamento para uma unidade específica. Devido a situação de pandemia em que estamos vivendo e as demandas estão aumentando nos hospitais para admitir os pacientes, essa demora tende a ficar maior não apenas na Paraíba, mas em todo Brasil. Infelizmente os setores de saúde não podem comportar tantos os doentes e por isso a necessidade do distanciamento social”, lamentou o médico.

SAMU de Alhandra adota protocolo interno e EPIs para atender casos de coronavírus

Profissionais do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU 192), de Alhandra, estão trabalhando com Equipamento de Proteção Individual, EPIs, específicos para atender pacientes com suspeita do Novo Coronavírus (Covid-19). Adquiridos pela gestão municipal, os EPIs são macacões descartáveis, luvas óculos de proteção, máscara modelo PFF2, protetor facial, botas impermeáveis, dentre outros equipamentos de proteção.